Professores de escolas participantes do "Eleitor do Futuro"debatem sobre psicologia e educação

Projeto da EJE-BA reúne educadores para refletir sobre como a psicologia pode contribuir com o trabalho do professor

Projeto da EJE-BA reúne educadores para refletir sobre como a psicologia pode contribuir com o trabalho do professor

Educadores de 34 escolas das redes pública e particular de Salvador e região metropolitana estiveram na sede do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) nesta quinta-feira (21/03) para o início das atividades do Projeto Eleitor do Futuro, promovido pela Escola Judiciária Eleitoral da Bahia (EJE/BA). O Encontro entre os docentes e a psicóloga do TRE-BA, Giovana Reis, proporcionou o debate sobre o tema “Psicologia, Sociedade e Educação: como a psicologia pode contribuir para o trabalho do professor?”.

 “Nossa intenção é proporcionar aos professores das escolas participantes do projeto uma reflexão acerca da aprendizagem como um processo cultural e psicológico, além de sensibilizá-los a se tornarem parceiros, com vistas a trabalhar com seus alunos, de forma interdisciplinar, temas como direitos e deveres dos cidadãos, democracia representativa, participação política, etc”; explica Adriana Passos, servidora da EJE-BA.

Na avaliação de Ana Paula Teles, Supervisora da Gerência de Currículo da Diretoria Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação de Salvador (SMED), o "Eleitor do Futuro" legitima um trabalho que já acontece nas escolas soteropolitanas. Ela ressalta a parceria entre a EJE-BA e a SMED, lembrando que o voto é apenas um aspecto dentro de um contexto mais amplo de direitos e deveres que envolve crianças e jovens. “Eles aprendem sobre a política a partir dos gestores públicos, mas também a micropolítica, que acontece no bairro e nas escolas todos os dias”.

O encontro com os professores foi realizado em dois turnos, com duas turmas distintas, para contemplar escolas diferentes. A psicóloga Giovana Reis falou de aprendizagem, ressaltando que há muitas escolas onde os alunos não conseguem se apropriar do conhecimento; o conteúdo é passado de forma mecânica e os estudantes parecem perdidos. “Há um afastamento emocional desses alunos; é como se o que eles estão vivendo fosse algo a ser decidido pelos professores e não os envolvesse”, observa.

A professora de teatro, Taiana Souza Lemos, da Escola Municipal Ivone Vieira Lima, defende que é preciso ampliar essa perspectiva, levando em conta questões como exclusão e racismo. “Para as crianças e jovens negros e pardos, a escola é um direito adquirido há pouco tempo. Não se trata apenas da falta de interesse dos estudantes, mas de uma escola que continua reproduzindo a lógica de não potencializá-los”, critica. Na opinião da professora, consciência política tem a ver com a desconstrução desse discurso. “Dizemos aos meninos que estudem para ser alguém, como se eles já não fossem alguém agora. Temos que estimular que eles se apropriem do conhecimento”.

 

Projeto Eleitor do Futuro

Servidores da EJE promovem explanações dialogadas, debates, eleições simuladas e outras dinâmicas pedagógicas ativas, visando fomentar a conscientização política, a fim de possibilitar às novas gerações uma formação cívica voltada ao fortalecimento das relações sociais e do Estado Democrático de Direito, a culminar num evento de premiação de um Concurso de redação.

De acordo com o cronograma, cada uma das 42 escolas deve receber uma visita da EJE. Este ano, além do concurso de redação, haverá também de desenho, com premiações para ambas as categorias. O recém-lançado portal da EJE também servirá como plataforma para auxiliar os professores a desenvolverem atividades e se envolverem no projeto. Acesse o portal da EJE.   Acesse o portal da EJE.  

Últimas notícias postadas

Recentes