Enfrentamento ao assédio é tema de curso realizado pelo TRE-BA

O encontro, direcionado aos juízes eleitorais e servidores em cargos de gestão, teve o objetivo de orientar os profissionais sobre como prevenir as diferentes formas de assédio.

TRE-BA curso assédio

Formas de combater comportamentos antiéticos que levam a situações de vergonha, constrangimento e humilhação foram pautadas no curso “Enfrentamento ao Assédio Moral, Sexual e à Discriminação”, realizado pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), na tarde da quarta-feira (10/8). A psicóloga Ana Magnólia Mendes ministrou o curso, que ocorreu pela plataforma Zoom. O encontro, direcionado aos juízes eleitorais e servidores em cargos de gestão, teve o objetivo de orientar os profissionais sobre como prevenir as diferentes formas de assédio.

O curso seguiu as orientações da Resolução nº 351, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que, em 2020, instituiu a Política Nacional no âmbito do Poder Judiciário. Durante sua apresentação, a psicóloga Ana Mendes lembrou que "o assédio não é algo que apareceu agora", destacando a importância de pautar o respeito à dignidade humana e à convivência ética. 

O treinamento é uma iniciativa da Comissão de Prevenção e de Enfrentamento ao Assédio Moral e Sexual do TRE-BA, liderada pelo juiz Arthur Neves. Ele pontuou que a Comissão atua no dia a dia com foco na criação de um ambiente saudável de trabalho. "Temos um procedimento sigiloso, que permite aos trabalhadores o relato de casos de assédio e discriminação por nossos canais de comunicação", destacou.

O objetivo é o de que o curso contribua na construção de novas estratégias para impedir todas as formas de violência e de discriminação, de modo a garantir o direito à saúde e à segurança no trabalho. 

Para a palestrante, é essencial estar atento às atitudes organizacionais do cotidiano. "Pois, estamos submetidos a uma situação estrutural e o uso abusivo do poder envolve toda e qualquer situação de violência. Quando julgamos as pessoas, estamos cometendo um ato antiético. No trabalho, precisamos avaliar o 'saber fazer' e não as diferenças entre as pessoas", destacou a psicóloga.

Como identificar

Ana Mendes, que também é mestre e doutora em Psicologia pela UnB, apresentou conceitos e características comuns às práticas discriminatórias. Para ela, comportamentos antiéticos podem levar a atos de violência e assédio. "Produzir a partir da culpa, do medo ou da vergonha são alguns dos comportamentos antiéticos que podem se transformar em atos de violência e em assédio moral. Precisamos, sobretudo, nos manter pautados na ética de convivência humana", defendeu.

De acordo com a psicóloga, a ética da convivência humana permite que todos cresçam mutuamente, fazendo dos indivíduos “aliados”. "Esses comportamentos são sutis e qualquer um pode ser assediador ou assediado, do ponto de vista estrutural. Por isso, se for possível, a gente precisa construir e estabelecer um ambiente pautado na ética da convivência humana".

O curso foi gravado e o conteúdo será disponibilizado aos demais interessados na plataforma EAD da Escola Judiciária Eleitoral da Bahia

Ascom TRE-BA; PS 

Pra cego ver: Print de tela de reunião virtual, com destaque para imagem da psicóloga Ana Magnólia Mendes, que ministrou curso para o TRE-BA sobre assédio

ícone mapa

Endereço e telefones do tribunal.

1ª Av. do Centro Administrativo da Bahia, 150 - CAB, Salvador-BA - CEP: 41.745-901 - Brasil
CNPJ: 05.967.350/0001-45

 

 

Ícone Protocolo Administrativo
Central Telefônica - Tel: +55 (71) 3373-7000 | Recepção: (71) 3373-7094
Fax do Protocolo da Secretaria: +55 (71) 3373-7220 / 3373-7329 
 Fax do Protocolo dos Cartórios (Salvador): +55 (71) 3373-7372
Ícone horário de funcionamento dos protocolos

Secretaria, seu Protocolo, Cartórios da Capital: Segunda a quinta-feira - 13h às 18h; Sexta-feira - 8h às 13h

Central de Atendimento e Protocolo dos Cartórios: Segunda a sexta-feira - 8h às 18h

Consulte outras unidades

Acesso rápido